NASCE O DESENHO DE UM NOVO MUNDO, TRAÇADO PELAS GERAÇÕES QUE VÃO SE TORNAR A MAIOR PORÇÃO CONSUMIDORA DO PLANETA EM MENOS DE 10 ANOS.

Se depender da galera que nasceu entre 1990 e 2010, que está sendo chamada de Geração Z, a era das selfies e das it-girls sem conteúdo tem seus dias marcados. Difíceis de serem mapeados, esses jovens também não sabem como lidar com a avalanche de transformações sob a qual nasceram. Mesmo assim, os estudos feitos até agora apontam que essa turma parece determinada a não seguir os passos de seus antecessores e a dar uma guinada no mundo do jeito que estamos acostumados. Por causa deles, o mercado da moda entrou em uma fase de experimentação, que vai sendo moldada por tentativas e erros.

Segundo a agência de pesquisa de tendências WGSN, os Gen Z são um tsunami populacional que não deve demorar a ultrapassar em tamanho a turma que tem Kendall Jenner e Justin Bieber entre seus ícones. A saída dos dois do Instagram (temporária, no caso de Kendall) já dá uma pista: as celebs jovens estão se comunicando com uma geração menos autocentrada que, ao que tudo indica, está cansada da superexposição. A indústria está um pouco de orelha em pé com pesquisas que dizem que esse grupo será menos obcecado por consumo. E muitas labels mexeram seu marketing para tentar conquistá-lo.

Bons exemplos vêm da Chanel, que resolveu investir nesse neogrupo, com Lily-Rose Depp (17 anos e filha de Vanessa Paradis e Johnny Depp) emplacando sua segunda campanha para a maison e com Willow Smith, 16 anos, a garota-propaganda dos óculos do inverno 2017. Outra aposta avassaladora é Kaia Gerber, filha de Cindy Crawford, que aos 15 anos já caiu nas graças de Alexander Wang e Marc Jacobs.

É um caminho sem volta, que vai resultar na geração Alpha (nascida depois de 2010), com conceitos de feminino e de masculino muito mais diluídos do que os Z, que, por sua vez, já pensam muito diferente dos Y. Com seus integrantes mais velhos começando a escrever, pode-se dizer que eles são o começo de um mundo totalmente novo, para o qual a moda deve se transformar profundamente.